Todos os dias, neste espaço, divulgo um poema da minha autoria para que a minha inspiração vos possa servir de guia.

Every day, in this space, I spread a poem of my authorship so that my inspiration can serve as a guide to all of you.

Receber poemas por / Receive poems by Email

Translate

sábado, 30 de abril de 2016

Uma luz ao fundo do túnel / A light at the end of the tunnel

Uma luz ao fundo do túnel
Procuro vislumbrar
Nos dias escuros e cinzentos
Torna-se difícil imaginar.

Uma esperança longínqua
Impossível de alcançar
Um sinal divino
De que tudo pode melhorar.

A dádiva de um sonho
Pelo qual queremos lutar
Os percalços e desilusões
Que surgem no seu lugar.

A fé em alguma coisa
Nem sempre fácil de acreditar
O desconforto e desalento
Quando tudo parece falhar.

Uma luz bem lá no fundo
A qualquer momento pode surgir
A fé tem de ser cega
Para não se sucumbir.

Estação de Comboios da linha de Sintra (Sentido Lisboa)
no dia 21  de abril de 2016,
escrito à mão
8h36
 
A light at the end of the tunnel
I try to envision
In the dark and gray days
It is hard to imagine.

A distant hope
Impossible to achieve
A divine sign
That everything can improve.

The gift of a dream
By which we fight
Mishaps and disappointments
That arise in its place.

Faith in something
Not always easy to believe
The discomfort and despondency
When everything seems to fail.

A light deep inside
At any time may come
Faith must be blind
In order not to succumb.

Train station of Sintra line (direction Lisbon)
on April 21, 2016,
handwritten

8:36 a.m.

sexta-feira, 29 de abril de 2016

O parente pobre / The poor relative

O parente pobre

Fica sempre de fora

Não consegue acompanhar o nobre

Que vira costas e se vai embora.

 

Falta-lhe poder de compra

Para melhor viver

Faz aquilo que pode

Para conseguir sobreviver.

 

Pode ser um pai, mãe,

Primo, tio, sobrinho ou irmão

É parente também

E doí-lhe o coração.

 

O parente pobre

Nem sempre pode comparecer

Faz aquilo que pode

Mesmo ficando a sofrer.

 

Agualva, Sala de refeições

no dia 19 de abril de 2016,

escrito à mão

19h40

 


The poor relative

It is always off

You can’t follow the noble

That turns his back and walks away.

 

Lacks purchasing power

To better live

Do what you can

In order to survive.

 

It can be a parent,

Cousin, uncle, nephew or brother

It is also relative

And it hurts his heart.

 

The poor relative

You can’t always attend

Do what you can

Even going to suffer.

 

Agualva, dining room

on April 19, 2016,

handwritten

7:40 p.m

quinta-feira, 28 de abril de 2016

Não me apetece falar / I do not feel like talking


Não me apetece falar

Nem ouvir a voz de ninguém

Preciso do meu espaço e tempo

Hoje o silêncio sabe-me tão bem

 

Doí-me o peito

Tenho um aperto no coração

Estou só no mundo

Nesta incompreensão.

 

Sentada na secretária no meu quarto

no dia 13 de abril de 2016,

escrito à mão

19h40

 

I do not feel like talking

Nor hear the voice of no one

I need my space and time

Today the silence know me so well

 

Hurts my chest

I have a heavy heart

I am alone in the world

This misunderstanding.

 

Sitting at the desk in my room

on April 13, 2016,

handwritten

7:40 p.m.

quarta-feira, 27 de abril de 2016

Se as pessoas fossem mais honestas / If people were more honest

Se as pessoas fossem mais honestas

Tudo isto era mais divertido

A vida seria mais fácil

Tudo faria mais sentido.

 

Se não houvessem tantas mentiras

Invejas, enganos e falsidades

A nossa existência

Seria inundada de verdades

 

Se a utopia fosse real

Uma fantasia tornada verdadeira

O sonho deixaria de ser ilusão

Eu deixaria de me sentir prisioneira.

 

Esta é a minha humilde visão

O mundo poderia ser diferente

Se houvesse mais coração.

 

Sentada na secretária no meu quarto

no dia 9 de abril de 2016,

escrito à mão

20h12


If people were more honest

All this was more fun

Life would be easier

It would make more sense.

 

If there weren’t so many lies

Jealousies, deceptions and falsehoods

Our existence

It would be flooded with truths

 

If the utopia was real

A fantasy made real

The dream would be illusion

I no longer feel captive.

 

This is my humble view

The world could be different

If there were more heart.

 

Sitting at the desk in my room

on April 9, 2016,

handwritten

8:12 p.m.

terça-feira, 26 de abril de 2016

Já passaste os 25 anos? / Have you spent 25 years?


Já passaste os 25 anos?

Pergunta a minha sobrinha

O teu corpo assim o diz

Mas atua mente não vai nessa ladainha.

 

Os anos passaram

Vividos intensamente

Não te apercebeste da sua passagem

Porque se deu rapidamente.

 

O espelho te iludo

Não te dá uma imagem real

Sabes o que sentes por dentro

Mas que idade tens afinal?

 

A idade não importa

É apenas uma soma de aniversários

O que conta é o que há por dentro

Para nos sentirmos lendários.

 

Sentada numa cadeira do meu quarto, poema escrito com a colaboração da minha sobrinha (Filipa)

no dia 9 de abril de 2016,

escrito à mão

19h36



Have you spent 25 years?

Asks my niece

Your body says so

But acts will not mind this litany.

 

Years passed

lived intensely

Not notice you your ticket

Because if given quickly.

 

The mirror delude you

Does not give you a true picture

You know how you feel inside

But that old are you anyway?

 

Age does not matter

It's just a sum of birthdays

What counts is what's inside

For feel legendary.

 

I am sitting in a chair in my room, poem written in collaboration with my niece (Philippa)

on April 9, 2016,

handwritten

7:36 p.m
 

segunda-feira, 25 de abril de 2016

Hoje não consigo estar feliz / Today I can not be happy


Hoje não consigo estar feliz

Porque na realidade assim não me sinto

O dia foi difícil de passar

E se dissesse que me apetece chorar não minto.

 

A tristeza apodera-se de mim

Tudo à minha volta me afetou

Nem todos os dias são assim

Mas o de hoje me derrubou.

 

Tudo me parece difícil

Impossível de alcançar

O meu corpo ressente-se

Preciso mesmo de descansar.

 

O meu rosto não consegue esconder

A tristeza que brota de dentro

Só me apetece chorar

Senão sei que eu arrebento.

 

Sentada na sala de âmbito Cultural no 7º piso do El Corte Inglês

no dia 5 de abril de 2016,

escrito à mão

19h02

 


Today I can’t be happy

Because in reality so I do not feel

The day was hard to pass

And if I said I feel like crying I do not lie.

 

The sadness seizes me

Everything around me affected me

Not all days are so

But today knocked me down.

 

Everything seems difficult

Impossible to achieve

My body was resents

I really need to rest.

 

My face can’t hide

The sorrow that springs from within

I just want to cry

But I know that I'll break.

 

Sitting in the Cultural context of room on the 7th floor of El Corte Ingles

on April 5, 2016,

handwritten

7:02 p.m


 
 

domingo, 24 de abril de 2016

Haiku, Haikai , 俳句

A primavera atrasou-se

As andorinhas esconderam-se.

O calor não apertou.


29 de março de 2016,

El Corte Inglês, sala de âmbito cultural

escrito à mão

18h50




The spring was delayed

Swallows went into hiding.

The heat did not press.


March 29, 2016,

El Corte Ingles, cultural context room

Handwritten

6:50 p.m

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.