Todos os dias, neste espaço, divulgo um poema da minha autoria para que a minha inspiração vos possa servir de guia.

Every day, in this space, I spread a poem of my authorship so that my inspiration can serve as a guide to all of you.

Receber poemas por / Receive poems by Email

Translate

domingo, 30 de novembro de 2014

Este ano não há Natal / This year there is no Christmas


Árvore Natal 2011 / Christmas Tree 2011

Este ano não há Natal
A minha casa não vou decorar
Não me vou dar ao trabalho
De a árvore montar.

Não vou fazer o presépio
Nem pôr as luzes a piscar
Não tenho vontade de o fazer
E a isso não me vou obrigar.

Não sinto dentro de mim inspiração
para presentear
Estou cansada de hipocrisias
E nada quero ganhar.

Não vou estar em minha casa nesta quadra
Com a família vou passar
Para mim apenas eles importam
E só a eles o Natal eu vou dar.


18 de novembro de 2014
In Costa, Maria Leonor. Poemas de Natal.


This year there is no Christmas
My house I will not decorate
I will not take the trouble
Of mount the tree.

I will not make the crib
Or put the flashing lights
I have no desire to do so
And that I will not oblige me.

I do not feel within me inspiration
For giving gifts
I'm tired of hypocrisy
And nothing I want to win.

I will not be at my house in this season
With my family I will spend
To me they just care
And only to them Christmas I'll give.

November 18, 2014

In Costa, Maria Leonor. Christmas poems.


sábado, 29 de novembro de 2014

Amanhã o mundo pode acabar / Tomorrow the world may end

Nunca serei mãe
Jamais serei avó
Nunca fui sobrinha
Na vida sinto-me só.

O meu âmago
Sente-se ferido
Procura na vida
Um novo sentido.

Sinto-me perdida
Devido aos projetos que defini no meu passado
Procuro seguir um só caminho
Mas eles levam-me para todo o lado.

Estou cada vez mais baralhada
O meu estômago dói
O meu coração se parte
E o meu futuro se constrói e destrói.

Tudo muda muito rápido
Quem estava comigo ontem hoje se foi
Não houve tempo para tantas coisas
Ai como tudo isso me corrói.

Cada vez mais procuro
Não definir o meu caminho
Deixar o tempo correr
E assim encontrar o meu destino.

Preciso encontrar novamente a paz
Que no caminho perdi assim
Sentir alguma serenidade
E encontrar alento no fim.

Preciso conseguir sonhar
Mas não construir castelos de areia
Apaziguar os ânimos
Porque a vida é uma teia.

O teu percurso cruza-se com o de outros
E de um momento para o outro deixa de se cruzar.
Nem sempre é fácil seguir em frente
E assim ficas suspenso no ar.

O pior de tudo isto
É que já não se pode confiar
Nos dias que correm
Até da nossa sombra devemos suspeitar.

No fundo de tudo isto
Sinto-me a espartilhar
O tempo anda a brincar comigo
E para algumas coisas está-se a terminar.

Lentamente vou perdendo o sentido
De tudo o que quis alcançar
Vou-me sentindo sem piso
Já não sei para onde vou caminhar.

Não consigo fazer planos de longo prazo
Cada vez menos consigo sonhar
Vivo o dia-a-dia
Como se amanhã o mundo pudesse acabar.

19 de novembro de 2014
In Costa, Maria Leonor. Catarse das Palavras.



I'll never be mother
I will never be grandmother
I was never niece
In life I feel alone.

My heart
Feels injured
I search in life
A new direction.

I feel lost
Due to projects set in my past
I follow one path
But they take me everywhere.

I am increasingly shuffled
My stomach hurts
My heart breaks
And my future builds and destroys.

Everything changes very fast
Who was with me yesterday, today went away
There was no time for so many things
Oh how all this undermines me.

More and more I seek
Not set my path
Leave the run time
So find my destination.

I need to find peace again
That on the way I lost so
Feel some serenity
And find encouragement in the end.

I need to get dream of
But do not build sand castles
Appease the spirits
Because life is a web.

Your path crosses with that of others
And a moment to another fails to cross.
It is not always easy to move on
And so you stay suspended in the air.

Worst of all this
It is that one can no longer trust
These days
Even of our shadow we must suspect.

At the bottom of all this
I feel the straitjacket
Time moves kidding me
And for some things is ending.

I slowly losing the sense
From everything I wanted to achieve
I will been feeling with no floor
I no longer know where I am going to walk.

I can’t make long-term plans
Less and less can dream of
I live from day to day
As if tomorrow the world would end.

November 19, 2014

In Costa, Maria Leonor. Catharsis of Words.

 

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

A vida em sociedade / The social life

Já ninguém é transparente
A verdade custa a dizer
As pessoas preferem uma boa mentira
Do que a verdade saber.

Nas costas dos outros
Consigo ver as minhas
Tanta intriga e falsidade,
Suposições e advinhas.

A vida em sociedade
Torna-se difícil assim
Quem não está com o status quo
Vive uma solidão sem fim.

19 de novembro de 2014
In Costa, Maria Leonor. Catarse das Palavras.


No one is transparent
The true costs to say
People prefer a good lie
Than the truth to know.

On the backs of others
I can see my
So much intrigue and deceit,
Assumptions and riddles.

The social life
It is difficult as well
Who is not with the status quo
Experience an endless solitude.

November 19, 2014

In Costa, Maria Leonor. Catharsis of Words.

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Ler um livro para crianças / Read a book for children

Ler um livro para crianças
É como voltar por momentos à infância
Elas riem-se com vontade
Valorizam aquilo a que mais ninguém dá importância.

É uma leitura em voz alta
Com muitas ilustrações
Com entoação nas palavras
Lidas e ditas como se fossem canções.

Podemos ler várias vezes a mesma história
Sempre de diferente maneira
Lida vezes sem conta
Para elas parece sempre a primeira.

É importante utilizar a linguagem corporal
Para captar a sua atenção
Dar ênfase à leitura
E também utilizar muita imaginação.

19 de novembro de 2014
In Costa, Maria Leonor. Infância Renascida.


Read a book for children
It's like going back for a moment to childhood
They laugh with ease
They value what that nobody else gives importance.

It is a read-aloud
With many illustrations
With intonation in words
Read and spoken as if they were songs.

We read several times the same story
Always differently
Read over again
For them always looks like the first.

It is important to use body language
To capture their attention
Emphasis on reading
also use a lot of imagination.

November 19, 2014

In Costa, Maria Leonor. Childhood Reborn.

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Querida amiga / Dear friend

Desabafas comigo as tuas dores
Contas-me os teus problemas
A família e o trabalho
São os teus principais temas.

Na tua vida tudo se avolumou
Nada ficou resolvido
Não tens um escape para ti
Nada tens de apetecido.

São a tua mãe e o teu filho
O teu trabalho e a tua futura nora
O centro das tuas atenções
são problemas que por si não se vão embora.

Nada mais te posso dizer,
Dentro de ti vais ter de resolver
Arranjar soluções para o teu futuro
E que seja o melhor que houver.

19 de novembro de 2014
In Costa, Maria Leonor. Catarse das Palavras.



You with me vent your pains
You tell me your problems
Family and work
Are your main themes.

In your life all swelled
Nothing was resolved
You don’t have an escape for you
You're no appetizing.

Are your mother and your son
Your work and your future daughter in law
The center of your attention
Are problems that for themselves don’t go away.

Nothing more I can say to you,
Within you'll have to solve
Find solutions for your future
And that will be the best that there is.

November 19, 2014

In Costa, Maria Leonor. Catharsis of Words.

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.